domingo, 23 de abril de 2017

FROM A HOUSE ON WILLOW STREET

(FROM A HOUSE ON WILLOW STREET)
África do Sul - 2016
Dir.: Alastair Orr


Filme sul africano sobre o sequestro de uma menina rica, que no fundo é também uma história de vingança, mas que não é importante pra trama.
Quando os sequestradores a levam para o cativeiro, coisas estranhas, como visões, começam a acontecer e os sequestradores não conseguem contato com a família.
Eles retornam à casa de onde tiraram a moça, que fica no endereço do título, e descobrem que seus pais e dois padres foram barbaramente assassinados, e que a moça esconde algo dentro de si.
Não é nenhuma maravilha, mas é interessante e bem feitinho, embora se valha de alguns sustos fáceis.

sábado, 15 de abril de 2017

A CAVERNA

(CAVE)
Noruega - 2016
Dir.: Henrik Martin Dahlsbakken


Mais drama que terror.
Casal e mais uma migo decidem explorar algumas cavernas em algum lugar isolado da Noruega.
O amigo eles não viam há um tempo e nem sabiam que o cara também estava interessado na garota e é isso que vai colocar a vida deles em risco, além do ambiente naturalmente arriscado aonde se encontram.
Muito fraco, ainda apela  praqueles sustos fáceis. De bom, a fotografia e a ambientação do lugar.

domingo, 9 de abril de 2017

FROM THE DARK

(FROM THE DARK)
Irlanda - 2014
Dir.: Conor McMahon


Casalzinho viajando pela área rural e deserta da Irlanda topa com uma criatura ancestral de maus bofes, que foi casualmente libertada de sua tumba por um velhinho, e que só ataca na escuridão.
Falta alguma coisa pra ser um filme razoável. Talvez ser mais curto, pois é o tipo de filme que ficaria bem naquelas antologias que contam 2 ou 3 histórias curtas.
De legal, a ambientação, a completa e deliberada falta de informação sobre o que é ou a origem do ser misterioso (fosse uma produção americana, certamente haveria uma personagem com ligações psíquicas que explicaria origem e objetivos do ser), e a caracterização do bicho, que remete diretamente ao vampiro de "Nosferatu", o clássico de 1922 de F. W. Murnau, embora nunca fique claro se é realmente um vampiro.

domingo, 2 de abril de 2017

RAZE

(RAZE)
EUA - 2013
Dir.: Josh C. Waller


Mulheres são sequestradas e obrigadas a se estapearem até a morte, em troca de uma promessa de liberdade para a vencedora.
É o de sempre: gente que acorda em algum lugar, sem saber como foi parar lá.
Esse pelo menos é um pouco melhor, e a protagonista acaba sendo um destaque pela sua valentia dentro da trama que lembra os explotations do passado. Deve agradar a galera mais misógina, que curte ver uma mulher levando uns catiripapos.

domingo, 26 de março de 2017

HOWL

(HOWL)
Inglaterra - 2015
Dir.: Paul Hyet


Eficiente filme de lobisomem, que não inventa a roda mas dá pra passar o tempo, enquanto se tenta descobrir qual personagem clichê vai morrer na sequência.
Trem noturno quase vazio enguiça numa região deserta e sem sinal de celular, claro (o lugar já era motivo de lendas sobre mortes misteriosas). Os passageiros tentam seguir a pé, quando descobrem que tem alguma coisa escondida na mata que rodeia os trilhos. Aí, já era. Resta voltar pro trem e tentar sobreviver ao ataque do bicho, que nem é dos mais bonitos que o cinema já criou, diga-se de passagem.
Também contradiz um pouco o habitual, mostrando que lobisomem não ataca só à noite,

domingo, 19 de março de 2017

PICADA

(BITE)
Canadá - 2015
Dir.: Chad Archibald


"A Mosca".
Três amigas viajam para a Costa Rica e uma delas é picada por um inseto, ao mergulhar em um rio.
De volta pra casa, ela começa e apresentar sinais de alguma doença, que provoca furúnculos e depois um processo de degeneração, com direito a algumas coisas vistas no filme de David Cronenberg, guardadas as devidas proporções de investimento, pretensões, etc.
Esse se encaixa em dois gêneros: o filme de nojeira, e o filme da mutação (que sempre andam lado a lado), já que a personagem vai mudando ao longo da exibição.
Dá pra notar que a historinha é mais velha que andar pra frente né?
No final o expectador descobre que a origem da doença é diferente do que se imagina, e ainda assim não apresenta nenhuma novidade, porque a gente já viu coisa semelhante.
Afinal, de onde saiu toda a baba que cobria o apartamento da protagonista e que escorria por paredes e lambuzava tudo, quando ela acorda na banheira?

domingo, 12 de março de 2017

ATROZ

(ATROZ)
México - 2015
Dir.: Lex Ortega


Policial prende 2 sujeitos em flagrante por atropelamento e no carro deles descobre uma fita de vídeo que esconde um bárbaro assassinato de um travesti.
Usando métodos típicos de países como Brasil e México, ele descobre o esconderijo da dupla e outras fitas de vídeo, e mais crimes igualmente bárbaros.
Filme muito mimoso, em um formato interessante aonde parte é filmado em primeira pessoa, no caso, o ponto de vista dos assassinos.
Parafilia, sadismo, estupro de filho pelo pai (com ajuda da mãe), incesto, homofobia, misoginia, suicídio, tortura, etc. Ou seja, um filme violento para estômagos muito fortes.
Parente direto dos filmes de Ruggero Deodato e do famigerado "A Serbian Film".
O diretor é responsável por um dos segmentos de "México Bárbaro", em que falava de tráfico de órgãos, violência contra crianças e também mergulhava no gore.
Ah, o filme ainda tem uma cena aonde os genitais de um homem são cortados a sangue frio e costurados na vagina de uma mulher, que teve os seios arrancados e costurados no peito do cara.
Muito fofo.

domingo, 5 de março de 2017

SHELLEY

(SHELLEY)
Dinamarca / Suécia - 2016
Dir.: Ali Abbasi


Casal convida uma imigrante para viver com eles, com o objetivo de engravidá-la e depois ficar com a criança, já que a mulher não pode engravidar.
A casa não tem luz elétrica e apenas um telefone fixo, que ela pode usar para ligar para a família. O casal também tem uma espécie de guia espiritual que acompanha a gravidez.
Só que a grávida começa a dar sinais de loucura, ou de estar atormentada por alguma coisa de outro mundo.
Terror que bebe da fonte de "O Bebê de Rosemary", tocado em um ritmo sombrio, com poucos diálogos e explicações.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

A RAÇA HUMANA

(THE HUMAN RACE)
EUA - 2013
Dir.: Paul Hough


80 pessoas são raptadas e levadas para uma espécie de condomínio aonde tem que ficar correndo como idiotas, e respeitando regras como: não pisar na grama e não ser ultrapassado duas vezes, sob pena de ter suas cabeças explodidas.
Como o grupo é eclético - cegos, deficientes, adolescentes, velhos - muitas cabeças explodem e outros se matam brigando para não serem ultrapassados.
Isso aqui é muito ruim: tem uma trama vista inúmeras vezes em várias versões sobre pessoas que acordam em um lugar sem saber onde, porque ou como foram parar ali, tendo que lutar e matar para sobreviver por um motivo que só saberão no final da bomba. Ou melhor, do filme.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

DER NACHTMARH

(DER NACHTMARH)
Alemanha - 2015
Dir.: Achim Bornhak


Mocinha vai à uma festa com amigos, toma uma bala e vê alguma coisa escondida no mato, quando vai fazer o número 1.
Ao chegar em casa, ela vê a coisa de novo, e assim vai, com seus pais desconfiando de um surto psiquiátrico.
Até que se descobre que realmente existe uma criatura esquisita vivendo na casa, em uma espécie de simbiose com sua anfitriã, que sente as agressões que a coisa sofre.
Meio bizarro e esteticamente muito interessante, é um produto bem típico do terror alemão, um dos mais estranhos que existe, ao lado dos russos.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

WITCHCRAFT

(WITCHCRAFT)
Inglaterra - 1964
Dir.: Don Sharp


Lon Chaney Jr interpreta o patriarca de uma família que luta contra a remoção do cemitério aonde seus ancestrais estão enterrados, e aonde também teria sido enterrada uma bruxa ainda viva.
Pra complicar, quem está por trás da remoção é o descendente de outra família que obviamente era inimiga figadal dos moradores do cemitério.
Filme de bruxaria passado no Canadá, mas de produção inglesa.
Nada de muito novo, mesmo para a época.

domingo, 29 de janeiro de 2017

O CIRCUITO DE ROMÁN

(EL CIRCUITO DE ROMÁN)
Chile / Argentina - 2011
Dir.: Sebastián Brahm


Filme sobre a memória, assim como o japonês comentado semana passada.
Cientista faz pesquisas sobre a memória e aos poucos o expectador percebe que está vivenciando as confusas memórias (algumas falsas) do sujeito, em um filme um tanto confuso também.

domingo, 22 de janeiro de 2017

O CLONE RETORNA PRA CASA

(KURÔN WA KOKYÔ WO MEZASU)
Japão - 2008
Dir.: Kanji Nakajima


Ficção com toques filosóficos sobre um astronauta que morre no espaço, e retorna a vida através da clonagem.
Quando ele retorna, retornam junto memórias que ele gostaria de esquecer, como a morte do irmão gêmeo.
Filme intrigante que discute o destino da alma e das memórias, além de falar de ética científica.
O final ainda apresenta um fato intrigante envolvendo uma experiência fracassada na primeira clonagem do sujeito.
Destaque também para a fotografia, que exclui quaisquer tons mais fortes, como vermelho e amarelo.

domingo, 15 de janeiro de 2017

XB: GALÁXIA PROIBIDA

(FORBIDDEN WORLD)
EUA - 1982
Dir.: Allan Holzman


Cientistas em uma base instalada em um planeta distante tem que lutar contra o fruto de uma experiência genética malfadada.
Parente direto do "Alien" de Ridley Scott, coisa bem comum no começo dos anos 80, quando todo mundo tentou faturar o seu em cima do mote levantado no produto mais famoso.
Bem, como é trash até dizer chega, embora não se assuma assim, tem aquelas cenas típicas das bagaceiras da época como mulher pelada e cena de sexo pra encher linguiça.
Enquanto deveriam se preocupar em enfrentar o bicharoco tosco que lhes persegue, os personagens preferem ir pra cama. Tem uma cena impagável, aonde depois de tomarem banho juntas e exibirem as peitocas, duas mocinhas colocam um mini roupão de banho e vão conversar com o monstrengo, que assim como seu parente citado lá em cima, cresceu bastante no decorrer da trama - esse cria um casulo, enquanto o outro trocava de pele.
Tem também um cientista louco e descabelado e cientistas de roupas justas e salto alto correndo assustadinhas pelos corredores da base.
Em suma, imperdível.
Ah, o papo das peladas com o bicho era pra tentar chegar à um acordo...
De onde surgiu o título nacional, é outra coisa inexplicável.

domingo, 8 de janeiro de 2017

O RITUAL

(III)
Rússia - 2015
Dir.: Pavel Khvaleev


Em uma aldeia e época não especificada, as pessoas estão morrendo de alguma doença misteriosa que mata a mãe de Ayia e Mirra.
Quando Mirra fica doente, Ayia decide realizar um estranho ritual para combater o mal que aflige a irmã, que claramente não é algo físico.
Ela então entra na mente da irmã, para enfrentar alguma coisa que se alimenta do medo de Mirra.
Filme estranho, pouco explicado, como é comum no cinema fantástico russo, mas muito bem dirigido e fotografado.
Filme intrigante, que se assiste mais pelo fascínio que a produção produz do que pelo terror em si,