quarta-feira, 26 de maio de 2010

KAIRO

(KAIRO)
Japão - 2001
Dir.: Kyioshi Kurosawa


Michi dá pela falta de um amigo, Taguchi, e ao procurá-lo descobre que ele se matara. Ela encontra entre as coisas do falecido um disquete, através do qual outro amigo descobre que dá acesso a um site estranho, aonde câmeras exibem pessoas apáticas que parecem encarar aqueles que acessaram o site, além de uma enigmática mensagem: "você quer conhecer um fantasma?"
Logo outras pessoas começam a ter o mesmo destino, ou simplesmente desaparecem (literalmente) no ar, e as cidades começam a ficar desertas. A explicação: a dimensão aonde os fantasmas vivem estaria com lotação esgotada, e de alguma forma a tecnologia humana permitiu que eles passassem para este mundo.
Foi refilmado nos EUA, como "Pulse", aonde foi diluído para gostos americanos, deixando de lado toda a parte sobre a solidão (de vivos e mortos), se transformando numa reles história de fantamas.
Como todo terror japa tem roteiro confuso e é lento no desenvolvimento, e Kurosawa não é tão palatável como Hideo Nakata, vide "Kyua".
Faltam explicações sobre o que seria o tal quarto fechado com fita vermelha, e o porque da fita, por exemplo. Mas sobra um clima sombrio; uma certa angústia; uma crítica nem tão sutil a indeferença da sociedade japonesa, e um ótimo final de tom desolador, e ao mesmo tempo quase otimista na descoberta da amizade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário